segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

Onde foram parar os bichos-de-pé?

Desde os primórdios da nossa infância nós, seres humanos, sempre estivemos de frente com perigosas criaturas, porém invisíveis. Uns chamam de monstros do armário, outros denominam como Bicho Papão, porém estes não passam de histórias fantasiosas que adultos inventaram para assustar as pobres e inocentes mentes dos párvulos (procurei no dicionário um sinônimo para criança. Que palavra horrível.). Enfim, depois desta bela introdução, quero apresentar-vos ou talvez refrescar suas memórias com um pequeno bicho nunca visto, mas muito presente na vida de cada um. 

O Tunga Penetrans, biologicamente falando é conhecido por nossa sociedade como bicho-de-pé. Um minúsculo pesadelo que penetra na cútis do mais famoso meio de transporte das pessoas. Ao entrar em contato com tal figura animalesca, começamos a sentir uma coceira no lugar escolhido pelo minúsculo monstro, que deixa seus ovos para que choquem DENTRO DE VOCÊ.  Não há outra maneira de tirar a não ser colocando uma agulha e puxando fora tudo. É sensacional. Claro, há a possibilidade de ir no médico, mas fazer isso é a mesma coisa que marcar uma consulta para dor no cabelo. Tirar bicho-de-pé com agulha era uma demonstração de masculinidade nos tempos antigos.


Feita a explicação científica, sintomas e metodologia de remoção do parasita, precisamos descobrir em que lugar se meteu o nosso amigo de tantas jornadas. Se você nasceu nos anos 90 ou anteriormente, provavelmente já teve o prazer de conhecer o tal do Tunga, pois naqueles tempos costumávamos a andar descalços, o que facilitava o trabalho. Brincar na terra e andar na areia eram os melhores locais para adquirir um viajante em seu pé. Lembro-me bem quando peguei pela primeira vez, foi esplêndido, toda a família ficou reunida para apreciar aquele momento, tiraram até uma foto e mandaram para os amigos: "Jonathan e Tunguinha Penetrans. Um momento de alegria". Mentira. Nada disso. Foi uma das coisas mais horríveis em toda a história da minha existência. Vocês sabem o que é colocar uma agulha no pé? A sensação é a mesma de tomar uma injeção, só que em outro lugar.

Fico me perguntando agora, enquanto redijo este texto: quantas pessoas já passaram pela mesma experiência? Sei que muitos têm várias coisas em comum, mas realmente nunca ouvi alguém falar abertamente deste assunto tão traumático. Relembrar disso é tão repugnante que estou pensando em criar o "Bicho-de-pé anônimos", para que possamos compartilhar sentimentos e nos livrarmos de tal reminiscência. 

O bicho-de-pé hoje é um mito, uma lenda urbana (ou rural), os jovens criados a leite com pêra em apartamento e com Xbox nunca ouviram falar da criatura. É um animal que se esconde no centro do universo e sabe-se lá o quanto já deve ter evoluído. Mesma situação passamos com os tatu-bola, ninguém sabe onde estão. Felizmente esta é uma lembrança bonita, todos gostavam deste animalzinho. 

A vida passa, antigos pesadelos se vão, nós crescemos e tudo ao nosso redor parece se apagar. Sobram apenas as memórias, pequenos sofrimentos e inesquecíveis regozijos. Nada como uma infância para marcar a nossa passagem pela terra com tantas lembranças bonitas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário