quarta-feira, 30 de novembro de 2011

O menino Atalíbio

Concentrado nos estudos, Atalíbio tentava manter-se focado nos últimos dias de aula. Seus livros empoeirados davam uma estranha sensação de vontade de espirrar, mas nada vinha naquele momento. Uma folha, outra e mais outra, o pobre menino não fazia ideia do universo que encontraria muito em breve. Seu pensamento estava sempre ligado em ir muito bem na prova de aritmética que o professor havia agendado.  Ele não era feliz. Não tinha família e nem sabia de onde surgira. Ele apenas existia. Aprendera a ter a sua própria comida muito cedo.

Cansado de ler mil coisas e não entender quase nenhuma, o jovem Atalíbio decidiu ir até a sua cama tentar dormir. O sono não veio logo de início, mas quando sua cabeça afundou no travesseiro e seus olhos começaram a se cansar, dormiu. Sonhou sobre mundos diferentes, universos desconhecidos, tábuas que mostravam informações, caixas que exibiam imagens e latas que se moviam pelas estradas. 


Ele caminhou, tentou conversar com alguém, porém ninguém lhe ouvia. Foi crescendo rapidamente e logo estava acostumado com este novo universo que parecia estar na sua vida para sempre. Mas ele não lembrava que tudo aquilo era um sonho, ou sabia, mas não queria acordar.

Atalíbio colocou em mente que aquela era a sua verdadeira existência e que todo o resto era apenas uma ilusão de sua cansada cabeça. Ele era bilionário, gostava de maçãs e possuía produtos revolucionários. O design, a velocidade, a singularidade. Esta era a vida do pequeno, agora grande visionário.

Seu mundo tornou-se dinheiro e nem lembrava mais como era o seu passado ou se precisava estudar para a importante prova. Ele estava feliz, isso que importava.

Mas nem tudo era alegria e um dia o pobre e muito velho Atalíbio falecera. Todo o seu universo começou a voltar em sua mente como se fosse uma fita rebobinando, até que abriu os olhos. Observou ambiente ao seu redor e se deu conta que estava em um escritório gigantesco e dentro de um berço. 

Atalíbio acabara de nascer.

Nenhum comentário:

Postar um comentário